sysd.org
14dez/0914

Über-Geek Rugged Pen-Drives From Hell!!!

O crédito vai para o Dmitry Brant, que tornou os seus gadgets USB em indestrutíveis tratando-os com adamantium resina epóxi. Mas a ideia em si eu tive faz um tempão, quando detonei o meu adaptadorzinho de ler cartões SD... O que me faltou era um molde que desse nenhum o mínimo de trabalho. Aí um belo dia olhei para mais um pendrive que quebrei, e depois para um tubo de fio de solda... E, wow, o conector USB tem aproximadamente o mesmo diâmetro que o interior do tubo! Como na época estava fazendo a disciplina "Oficina de Materiais Plásticos", tinha uma quantidade razoável de resina de poliéster para brincar.

Matéria-prima

Matéria-prima: pendrive(s), resina de poliéster, tubos de solda (ATENÇÃO: descobri de uma maneira bastante desconfortável de que não é qualquer tubo que serve... ALGUNS são feitos de um plástico que reage com a resina de poliéster. Portanto, é minimamente sábio deixar um pingo de resina no tubo por um tempo antes de usá-lo como molde :P), copos plásticos de polipropileno (ATENÇÃO... OK, é a mesma coisa de antes: se não for polipropileno, reage com a resina :S), e fita crepe.

Inserindo no molde

Enrolei várias camadas de fita crepe no conector USB dos pendrives para protegê-los e também para que fiquem bem encaixados dentro do tubo-molde. Uma dica: ao enfiar o pendrive no tubo, deixe um espaço até o fundo: depois, essa "sobra" pode ser usada para fazer furo para passar cordinha de chaveiro ou coisa do tipo.

Molde e resina

Agora, o know-how do processo: os tubinhos de solda tem um furo embaixo. Assim, ao invés de encher de resina por cima e melecar tudo e encher de bolha, os moldes com pendrives são submergidos na resina, que entra por baixo 😉

Outro detalhe importante: o nível da resina. Primeiro, enchi o copo de poliéster, misturei com o catalizador (instruções no verso :P), daí coloquei os tubinhos e aí sim empurrei os pendrives para o fundo com uma varetinha, para que o conector USB fique para fora.

Submergindo

É só deixar nesse estado pelo tempo suficiente para a resina esfriar (a reação com o catalisador é exotérmica, mas o calor é pequeno e não chega a prejudicar os circuitos). A resina que usei tem uma coloração verde bizonha, o que até que combina com o verde das plaquinhas PCB. Mas também existe resina transparente (surpreendentemente, se chama "cristal"). Uma nota: se o tubo de solda for de material certo, ele não apresenta a menor dificuldade para sair da resina. E, para tirar os pendrives de dentro dos moldes, é só empurrá-los com um prego/fósforo/palito através daquele furico embaixo 😉

Outra nota: mesmo depois de aparentemente sólida, a resina leva alguns dias para ficar 100%. Portanto, sem pressa, se quiser que fique realmente bonito.

Pendrives prontos!

O resultado final! Me desculpe, Dmitry, mas ficou muito mais bonito do que o seu 😉

Pendrives prontos!

E as principais propriedades continuam as mesmas: alta resistência ao impacto (martelei um dos pendrives e ele sobreviveu) e à umidade (inclusive, é perfeitamente lavável: não tem como água entrar nos circuitos elétricos, no máximo, molha os contatos do conector USB que é só soprar para secar ;)).

LED aceso, versão "polida"

Muitos me perguntaram: "isso funciona"? Mas é claro! Por que não funcionaria?! A resina não é condutora e isola os circuitos de qualquer desgraça que lhes possa ocorrer... E o pendrive não gera calor o suficiente para "torrar" de dentro para fora. Ah, e os efeitos luminosos são ótimos: a "capa" de poliéster, sendo cilíndrica, atua como uma lente.

LED aceso, versão lixada

Esta é a versão "planificada": lixei até ficar um "tijolinho" translúcido. O efeito luminoso também é interessante, devido ao scattering. E as rachaduras internas se devem às porradas com o martelo 😛

Próximo passo: fazer uma tampinha à altura do pendrive, rááááá!!!!!!!